segunda-feira, julho 03, 2006

Os telemóveis são uma chatice!

De repente, o som abafado do telemóvel, faz-me regressar à realidade. A esta hora? É muito cedo para que sejas tu.
Atabalhoadamente mergulho no saco e no meio de todas aquelas coisas imprescindíveis que só servem para nos dificultar a vida quando queremos encontrar qualquer coisa, à procura do telemóvel em chamas.
Por incrível que pareça, desta vez encontro-o sem dificuldades. E logo o teu nome brilha luminoso, ainda dentro do saco, emergindo das profundezas da noite em que te perderas.
Atendo e ouço a tua voz ainda um pouco estremunhada, mas mais desperta do que o costume. É provável que as tuas palavras não fossem estas, pois ouvi-as em formato telemóvel e só posso reproduzir o que julguei ouvir. A voz era agradável e eu estava ansiosa.
- Querida! Estás bem disposta?
- Estou.
- Desculpa não te ter telefonado, mas, olha, nem sei bem onde fica isto (perguntas alguma coisa a alguém que está contigo). Olha estou em casa da C., imagina tu. Vou-me levantar agora e... sabes que temos o jantar mais logo à noite...
- Sim e depois... (respondi qualquer coisa no género).
- Ó pá, estou a ficar sem bateria...piiiiiiiiiiiiiii.
E fiquei na mesma. Sem saber nada de importante, com a agravante de agora estares agarrado nas entrelinhas do que eu ia escrever. Que era sobre um gato. E também tinha a ver contigo, mas referia-se a outro dia. Sobre hoje não me apetecia pensar.
De que me adianta pensar que és um gato vadio e pulguento, se depois te aliso o pelo e arranco as carraças com cremes caros, e gestos medrosos, não vás tu distraidamente espreguiçar uma garra e arranhar-me na pele a memória dos gestos vadios que eu quero esquecer.
Vês? Ficaste-me nas entrelinhas. Deixaste-me a falar sozinha. Isso é muito feio e ainda será pior se tornar tudo isto numa história muito enfadonha.
Foi aborrecido, de facto, eu não ter escrito o meu conto sobre o gato, um gato verdadeiramente doméstico, e que era suposto ser cheio de ironia. E, em vez disso, ter ficado ainda mais inquieta. Os telemóveis são uma chatice.
Mas já agora, deixa que te diga: Chato, mesmo, foi não teres vindo dormir a casa!.

B~~