quarta-feira, outubro 11, 2006

Crónicas da Galinha Riça - A Ceia Medieval

Que tinha de ser. Desse por onde desse, galos e galinhas deveriam marcar presença na Ceia Medieval e contribuir generosamente para o Coral, não com sacrifícios de canja, cabidela ou fricassé, até porque estes galináceos, por ousadia ou emancipação, estão mais vocacionadas para se servirem do que para serem servidos e já não se prestam a imolações gastronómicas ou a nutrições convencionais. Claro que não abdicariam dos pitéus de sequeiro e da apetecível hortícola constantes da ementa, porém o que efectivamente os aliciava era assistir ao concerto do Coral que, legitimado como digno representante da tradição cultural do nosso Galinheiro, organizou a ceia com o intuito de angariar fundos para levar o nosso canto além mar, à ilha do Faial, num gesto inédito de intercambio musical.
Desconheciam os ilustres participantes que o MRQ (Movimento de Restauração do Quintal), ciente que a luta requer apoios e estes só se alcançam tacitamente, tinha reunido clandestinamente com a direcção do Coral expondo argumentos e vantagens que iam muito para além do motivo invocado nos propósitos da visita.
O presidente do MRQ elucidou: Também o povo do Faial tem um passado histórico de resistência e segregação; Também os sucessivos governantes e políticos em geral não correspondem às expectativas do povo e o desenvolvimento tão apregoado no continente jamais ali ancorou; Para além disso a indústria baleeira extinguiu-se no século XX, à semelhança do acontecido em Canas com minérios, cianamidas e carbonetos, restando aos faialenses, como único meio de subsistência, os postais com a vista da Ilha do Pico, sapo que têm que engolir cada vez que por lá passa um turista. Há lá maior afronta que um turista apontar a máquina fotográfica de costas voltadas para a nossa terra. Já viram o que era Canas estar cheia de postais de Asnelas e os turistas a dizer que a coisa mais bonita que o nosso quintal tem é a vista para o quintal do vizinho. Pois são com algumas destes aspectos que nós nos comparamos e solidarizamos com o Faial e dos quais sentimos obrigação de repudiar publicamente através do apoio possível, que no nosso/vosso caso se prende com a formação de uma delegação especial, constituída por galos e galinhas com o registo de canto mais enérgico e o cacarejar mais estridente, incumbidos de prestar o apoio técnico necessário ao Grupo Coral da Horta para que, como nós, se façam ouvir alto e distintamente no continente. Se considerarmos que aquele território já foi palco de oportunos exílios e local de difícil assédio, configura-se-nos astuciosa esta aliança, no pressuposto do MRQ vir a ser vítima de perseguição ou mesmo de ostracismo, aspecto que no actual cenário político não é de negligenciar.
Estamos conscientes da responsabilidade que vos é atribuída e de quão difícil é a tarefa solicitada, uma vez que, embora a água seja boa condutora do som, a distância é muita e o financiamento da empresa elevado, porém, avaliadas as vantagens que tal projecto representa na conquista deste aliado estratégico, solicitamos o vosso empenho na organização e capitalização da Ceia Medieval. Para o efeito o MRQ disponibilizará as infra estruturas necessárias à realização do banquete e contribuirá com fundos próprios para a deslocação do Coral à Ilha do Faial.
Não constituiu surpresa esta “intromissão” do MRQ nas actividades do Coral, até porque, como já tive oportunidade de relatar, a sua criação foi envolta em segundas intenções, de forma a servir interesses do Movimento em particular e do Galinheiro em geral. Aquiesceu a Direcção do Coral perante a missão sugerida e logo ali se traçaram planos e delinearam prudências, pois o assunto era delicado e recomendava discrição.
Não vislumbraram os convivas da Ceia Medieval as intenções subliminares que presidiam àquela mesa mas, se porventura, um dia, o destino do Faial rumar a outro porto, que é como quem diz, alcançar as revindicações que por hora ainda silencia, isso se deverá provavelmente àquele convívio medieval no pretérito dia 30 de Setembro por terras de Senhorym. Destas subtilezas é muitas vezes a História omissa.
Bons repenicos

10 comentários:

amef disse...

Ó Riça:
Se não fosse essa reincidência na mentira... até que lhe diria que a prosápia estava boa...
Assim... :(

Cingab disse...

Isso parece mais um relato da "Última Ceia"... Ainda não descobri o Cristo e o Judas, mas deve estar próximo!...

Achadiça disse...

Ó Riça parece que tens aqui um problema com O AMEF :)... será conflito de interesses :)

amef disse...

Achadiça:
Eu não tenho problemas com ninguém... Quando muito terei comigo mesmo, mas esses... são os meus problemas - que, obviamente, terei de resolver...
Em relação ao que a Riça escreve... será o ponto de vista dela. Melhor fora que provasse o que escreveu... Mas esse, deve ser (o) problema dela...
Mas que fique claro que não tenho qualquer problema com ela, nem com ninguém!
Aquele abraço!

Achadiça disse...

Claro que não AMEF. Quando eu disse problema queria dizer diferentes pontos de vista e tive a preocupação de sorrir :). Ela insiste na teoria da conspiração… em tudo vê segundas intenções. Tem que dar desconto, mas olhe que o texto até é engraçado...
Boas bicadas

amef disse...

Achadiça:
Tal como eu disse: "Se não fosse a reincidência... até que a prosápia estava boa..."
Mas... até nem é difícil acreditar que ela tenha "outra verdade" sobre o assunto... Gostava era de a conhecer ( a "outra verdade", não a Riça, claro - que, se calhar até conheço :)...) para perceber o que a terá levado a escrever como escreveu.
Claro que não vou fazer disto cavalo de batalha, porque nestas coisas, quanto mais se mexe, mais fede...
E, se vim a terreiro, foi tão só porque gosto muito do Coral e do que tem feito e gosto que não seja "atacado" pelo lado da "inverdade"... Aí, defendê-lo-ei, sempre!
Boas bicadas e...
Aquele abraço!

Galinha Riça disse...

Caro AMEF, fui alertada pela Achadiça para que o teor da minha crónica o tinha melindrado. Acabo de o confirmar ao ler os seus comentários.
Claro que o AMEF só pode estar a brincar.
O Coral e as pessoas que o compõem merecem a minha consideração e admiração. Dado o conteúdo da crónica e a linha da cronista parece-me descabida qualquer explicação suplementar.
Bons repenicos

amef disse...

Prezada Galinha Riça:
Se há pessoas que gostam de brincar eu sou, sem dúvida, uma delas. Quem me conhece, sabe-o! Porém, NUNCA com coisas sérias.
Não digo que fiquei melindrado com o assunto, porque me parece não haver motivo para tal; contudo, e por motivos mais que óbvios, "acusei o toque"...
Mas, pronto, se é uma questão de... "linha da cronista"... como "dizeria" o Prof. Teodoro... contra isso... batatas!
Bons repenicos, para si também! E...
Aquele abraço!

PortugaSuave disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
PortugaSuave disse...

TUDO ACABA BEM COM REPENICOS E ABRAÇOS...
Riça e AMEF a vossa troca de comentários é curiosa... já vos tinha lido lá atrás, algures noutro post, agora aqui! Neste tom bem podiam afinar as vozes lá no coro :):)
(Quem sabe se já não afinam!)
Cumprimentos a ambos